Sítios religiosos

Milhões de peregrinos de todos os cantos do Mundo visitam a Polônia anualmente não só para rezar mas também para admirar as pérolas da arquitetura polonesa. Dez séculos de história católica na Polônia garante-nos o imenso número dos santuários, igrejas e obras-primas para ver e visitar, que têm atraído tantos crentes e turistas no passado e presente.

Czestochowa – Jasna Gora
Czestochowa – Jasna Gora
Church of St Stanislaw Kostka in Warsaw
Igreja de São Estanislao Konstka em Varsóvia
Niepokolanow
Niepokolanow
Lichen
Lichen
Lagiewniki “Divine Mercy Shrine”e
Lagiewniki - "Santuário da Divina Misericórdia"
Krakow - In the Footsteps of Pope John Paul II
Cracóvia - seguindo as pegadas de São João Paulo II
Kalwaria Zebrzydowska
Kalwaria Zebrzydowska
Wadowice
Wadowice, terra natal de São João Paulo II
Swieta Lipka
Swieta Lipka
Our Lady of Ludzmierz, Patroness of Podhale
Our Lady of Ludzmierz, Patroness of Podhale
St. Fatima Church in Zakopane
St. Fatima Church in Zakopane
Wambierzyce – the Parish Church of Birth of Blessed Virgin Mary with chapels and a Calvary (landscaped Way of the Cross)
Wambierzyce

Czestochowa – Jasna Gora

Czestochowa, inseparada de Jasna Gora, é a capital sacral da Polônia, onde a imagem encantadora de Nossa Senhora com as características de um ícone de Hodegetria (do grego: Ela que mostra o Caminho) é mantido e que foi pensado em ser um guia que aponta o caminho. Há uma bela lenda que revela que a pintura era a obra de São Lucas Evangelista e que foi pintada sobre madeira tirada da mesa da Sagrada Família. Porém, após uma pesquisa, se descobriu que a pintura é originária do séc. XIII e também que a imagem antes de estar em Czestochowa, estava num iconostásio, nos Balcãs. Tal facto não muda de que onde esteja a Virgem Negra seja um lugar de adoração nacional para as futuras gerações polonesas. Nos séculos XVII e XVIII, a imagem em Czestochowa foi classificada como uma das relíquias mais importantes e mais venerados do Cristianismo, ao lado apenas de imagens de Cristo – "que não tenha sido criado por mãos humanas". Mesmo a cicatriz no lado dereito do rosto de Nossa Senhora, após a sua primeira restauração conhecida, financiada pelo rei Wladyslaw Jagiello, enaltece as marcas de admiração. O dano ocorreu em 1430, durante uma intromissão de ladrões no Santuário de Czestochowa. A renovação, por intervenção real, é a mais antiga documentada restauração duma pintura na Polônia.

Igreja de São Estanislao Konstka em Varsóvia

Uma igreja modernista em Zoliborz, lugar do abençoado Pe. Jerzy Popieluszko, pastor do movimento da Solidariedade (Solidarność) e herói nacional, conhecido pelos seus sermões corajosos e defesa da liberdade polonesa, durante a época comunista e por ter sido assassinado pelos agentes de serviço comunista. A sua sepultura se encontra no cemitério da igreja.

Niepokolanow

O Mosteiro foi fundado pelo S. Maximiliano Maria Kolbe, em 1927. Ele sacrificou a sua vida em troca dum outro homem no campo de concentração de Auschwitz. Hoje em dia, o Mosteiro é visitado por milhares de peregrinos. É venerada a estátua de Virgem Maria que se crê que ter poderes milagrosos e que escutará as orações daqueles que têm fé em Maria. A igreja foi proclamada basílica menor pelo papa João Paulo II, a 30 de Abril de 1980. À sua direita está o Museu de Maximiliano Kolbe. Há também 2 apresentações especiais: O Panorama do Milénio (que move figuras ao redor de Jesus, personificado numa criança que narra a história do Cristianismo na Polônia em movimento) e a Cruxificação (mostrando a morte do Filho de Deus) para serem vistos pelo seu conteúdo religioso e estilo especial folclórico de apresentação. Se tiver ninguém que traduza para si, haverá alguma dificuldade em seguir; todavia, de qualquer forma, dê uma espreitadela.

Lichen

Lichen, hoje conhecida por ter o maior templo na Polônia, tem sido um lugar de culto da Virgem Maria, por muitos anos ligado à pintura milagrosa da Virgem Maria. A história da pintura remonta aos tempos de Napoleão. Em 1813, durante a batalha de Lípsia, a Virgem Maria apareceu a um dos soldados poloneses – chamado Tomasz Klosowski – salvando-o da morte e pedindo-lhe para encontrar uma imagem dela que se assemelhasse à sua aparência. Klosowski finalmente encontrou a tal imagem e trouxe-a para uma capela no bosque, perto de Lichen. Segundo a lenda, a Virgem Maria apareceu a um pastor Mikolaj Sikatka, que estava rezando na capela, em 1850. Posteriormente, no dia 29 de Setembro do 1852, a pintura foi transferida para a igreja em Lichen.

Lagiewniki – "Santuário da Divina Misericórdia"

O santuário está situado em edifícios do mosteiro da Congregação das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia, que foi fundada, em 1891, como uma Fundação de A. Lubomirski para meninas e mulheres em necessidade de renovação moral. No período entre as duas guerras mundiais, neste Mosteiro viveu e morreu a Santa M. Faustina Kowalska (1905-1938), através da Santa Faustina o Senhor Cristo deixou a mensagem da Divina Misericórdia para a Igreja e o mundo inteiro. Ela irradeia luz no mistério da Divina Misericórdia, para ter fé em Deus e uma atitude misericordiosa com os vizinhos e também para proclamar e rezar pela Divina Misericórdia para o mundo inteiro através da prática de novas formas de culto da Divina Misericórdia (a Imagem da Divina Misericórdia, o Domingo da Divina Misericórdia, o Terço da Divina Misericórdia e a Hora da Misericórdia). Em 1943, o Pe. J. Andrasz SJ, o confessor de Faustina em Cracóvia, abençoou a imagem da Misericórdia Divina e iniciou missas solenes em honra da Divina Misericórdia. A imagem pintada por A. Hyla e oferecida como voto, acção de graças a Deus por salvar a sua família durante a guerra. A imagem se tornou rapidamente conhecida por muitas graças, o número de peregrinos tem crescido a cada ano, considerando-se também os peregrinos que visitam o túmulo da Irmã Faustina. Uma expansão muito dinâmica do culto da Divina Misericórdia se tem assistido após a beatificação de Irmã Faustina (18 de abril de 1993) e sua canonização (30 de abril de 2000), e também graças às peregrinações de João Paulo II a Lagiewniki (1997 e 2002). Isso causou a extensão do Santuário, construindo-se uma nova igreja-basílica, que foi consagrada a 17 de agosto de 2002, pelo papa João Paulo II. Neste lugar, o Papa confiou solenemente o mundo à Divina Misericórdia.

Cracóvia – seguindo as pegadas de São João Paulo II

O grande cracoviano residiu no Vaticano de 1978 a 2005. Antes de a Santa Sé torná-lo papa, Karol Wojtyla viveu em Cracóvia 4 décadas– praticamente toda a sua vida adulta até assumir o papado. Aí despendeu a sua vida como estudante e jovem, teólogo e filósofo, dramaturgo e poeta. E aí ele fez a sua ascendência de tirar o fôlego do cargo de humilde pároco da Igreja de S. Floriano, em Cracóvia, a professor universitário, a bispo de Cracóvia a cardinal e, por fim, a Vigário de Cristo.

Lugares ligados à vida do homem que foi pastor da Igreja até ao terceiro milénio. Debniki – bairro residencial de Cracóvia frente-a-frente à Colina Wawel, separados pelo rio Vístula. Nascido em Wadowice, a 50 km de Cracóvia, em 1938 o estudante de 18 anos Karol Wojtyla mudou-se para um quarto no susolo, na Rua Tyniecka, 10 em Debniki. Em setembro seguinte a Alemanha invadiu a Polônia. Durante a ocupação alemã de 5 anos, ele foi forçado a trabalhar numa pedreira em Zakrzowek, enquanto que estudava em seminário teológico clandestino que funcionava em Cracovia. A primeira coisa que ele fazia cada manhã, foi que ele assistia à missa e comungava na ampla e moderna Igreja Paroquial de S. Stanislaw Kostka em Debniki, onde mais tarde o jovem Pe. Wojtyla celebraria a segunda missa na sua vida. Ele celebrou a sua primeira missa um dia antes, a 2 de Novembro de 1946, na Cripta de S. Leonardo, no subsolo da Catedral de Wawel, onde reis e heróis polacos descansam em paz.

Poderia o novo ordenado padre imaginar que depois de 17 anos tornar-se um dia arcebispo? 12 destes 17 anos ele esteve a viver perto da Catedral, na Rua Kanonicza, 19, de 1951 a 1958, quando se tornou bispo; e no adjacente nº 21 até 1963, quando ele se tornou arcebispo. Agora ambas as casas fazem parte do museu da Arquidiocese que exibe a arte da igreja. O seu quarto com a mobília completa que ele usou ainda parece como se o Pe. Karol acabasse de sair. Adicionado são essas recordações de João Paulo II como moedas e medalhas, bem as batinas que ele vestiu quando ele foi professor universitário, bispo, cardeal e, finalmente, papa.

A cinco minutos para baixo a pé na charmosa Rua Kanonicza e depois pelos jardins Planty, o portão do imponente Palácio Episcopal, na Rua Franciszkanska, 3, cujo amplo primeiro andar foi o lar de Sua Eminência Cardeal Karol Wojtyla de 1963 a 1978. Anteriormente, ele tinha vivido no Palácio como sede do Seminário até 1945 e foi ordenado sacerdote na Capela de Todos os Santos, em 1946. Em outubro de 1978, o Cardeal Wojtyla partiu para Roma para fazer parte do conclave que o elegeu Papa. No ano seguinte, ele visitou a sua Cracóvia pela primeira vez como João Paulo II, e hospedou-se novamente e brevemente no Palácio Episcopal. No pátio palaciano pode ver-se a sua estátua comemorativa da estância do Papa nesse lugar.

Kalwaria Zebrzydowska

A igreja, o mosteiro e o parque de peregrinação do complexo da Ordem Bernardina em Kalwaria Zebrzydowska, faz parte da Lista do Património Mundial da UNESCO. A igreja barroca, construída no séc. XVII, abriga o quadro venerado à Nossa Senhora de Kalwaria Zebrzydowska. O Calvário ou o Caminho da Cruz está alinhado com santuários, capelas e igrejas pequenas, que são pitorescamente situados entre colinas e vales. O santuário é visitado por cerca de um milhão de peregrinos a cada ano e é famoso pelas interpretações ao vivo da Paixão de Cristo. As procissões mais importantes são realizadas durante a Semana Santa (Páscoa) e no Dia da Ascensão.

Wadowice, terra natal de São João Paulo II

Wadowice, uma pequena cidade a 50 km a sudoeste de Cracóvia, tem reconhecimento internacional como o local de nascimento de São João Paulo II. Nascido em 1920 como Karol Józef Wojtyla, o futuro Pontífice viveu em Wadowice até 1938, no ano em que se mudou para Cracóvia, com o intuito de estudar na Universidade Jagielônica. Durante os seus últimos dias o falecido Santo Padre lembrou com carinho a sua juventude em Wadowice e lugares associados a ela, colegas de escola, os seus professores e outras pessoas que ele tinha conhecido. Além disso, ele tentou incluir a cidade, quando possível, nas suas visitas à Polônia.

A primeiríssima escolha dos peregrinos é o recém-inaugurado Museu, com exposições multimídia, que mostram a vida e obra de João Paulo II. Possivelmente ainda mais relevante é a própria igreja nas proximidades – o futuro João Paulo II cresceu na sua sombra e foi batizado católico e confirmado mais tarde na mesma, serviu como coroinha e orou diariamente aqui antes de sua imagem milagrosa de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro . O coro da igreja gótica data do século XV, enquanto que a nave de barroco tardio e corredores foram construídos na década de 1790. O corredor esquerdo contém uma fonte batismal onde o bebê Karol Wojtyla foi batizado.

Swieta Lipka

O famoso santuário mariano tem sido atração de peregrinos não só da Prússia e Vármia, bem como de regiões longínquas da Polônia desde a Idade Média. Swieta Lipka é também um monumento histórico de valor incalculável, como um dos magníficos objetos do barroco tardio na Polônia. O complexo arquitetônico consiste numa igreja, em claustros e no mosteiro, cujo tem preservado os seus variados e ricos ornamentos no seu quase total estado. A ornamentação é composta por estátuas de pedra e madeira, frescos nas paredes e telas, objectos de ourives e entalhadores junto com os trabalhos artísticos e obras de arte de ferreiros que são raramente encontrados em algum lado. Para impressionar a visita, o complexo pitoresco é localizado no ponto alto do vale e rodeado por bosques.

Nossa Senhora de Ludzmierz, Padroeira de Podhale

O Santuário de Ludzmierz tem uma magnífica figura da Virgem, Rainha de Podhale, a estatua mais conhecida no Sul na Polônia. Em 1963, durante a cerimônia da coroação, a figura foi transportada pelo relicário, no qual o cetro escapou das suas mãos. Foi apanhado no ar pelo então Bispo de Cracóvia, Karol Wojtyla, quem mais tarde foi eleito papa, João Paulo II.

Igreja de Nossa Senhora de Fátima, em Zakopane

O Santuário em Krzeptowki, Zakopane, é o lugar de culto da Virgem Maria e está estreitamente ligado a S. João Paulo II. Foi criado em gratidão do salvamento da vida de Karol Wojtila após a tentativa de homicídio a 13 de Março de 1981. A 21 de Outubro de 1987, o papa João Paulo II corou a estátua de Nossa Senhora de Fátima. A Igreja de Nossa Senhora de Fátima está situada ao lado da capela. O edifício foi eregido entre os anos 1987 e 1992. O templo foi consagrado pelo João Paulo II, a 7 de Junho de 1997, durante a sexta peregrinagem à Polônia. Os terrenos do santuário são a casa de dois monumentos dedicados ao S. João Paulo II e altar, onde celebrou missa em 1997.

Wambierzyce - a Igreja Paroquial do nascimento da Virgem Maria abençoada com capelas e um Calvário (paisagem do Caminho da Cruz)

Wambierzyce é um importante centro de culto mariano e uma meta de numerosas peregrinações. Diz a lenda que, no final do séc. XII a Virgem Maria apareceu a João de Ratno, neste local. No início do séc. XVI, o número de peregrinos que foram aqui foi tão grande que, em 1512, Ludwig von Pannewitz construiu uma igreja gótica no lugar da de madeira velha, mencionada em 1418, e destruída durante as guerras hussitas. J. Socha tornou-se o pároco da Wambierzyce, em 1647. Graças a ele, a tradição de peregrinação foi restabelecida. Ele realizou as suas atividades pastorais em polonês, vindo, assim, numerosos grupos oriundos da Silésia. O interior da igreja é mantida no estilo barroco. A atenção especial está no púlpito ricamente decorado pelo escultor Karl Sebastian Flacker, e do altar-mor, com uma estátua milagrosa do século XIV (cerca de 1380) da Virgem Maria.